Nossos Projetos

“Vamos todos juntos, que ninguém fique para trás, que todos tenham tudo para sua sobrevivência, que ninguém fique necessitado.” Povo Aymara

Bem Viver MSTLVivemos, atualmente, em um modelo de sociedade onde o lucro, a competição e o individualismo são estimulados em todos os níveis de convivência humana, seja na família, na escola, no trabalho ou na comunidade. No nosso entendimento, esta situação é geradora de desigualdades, intolerâncias e injustiças, que atingem principalmente os mais vulneráveis. 

Em nome do desenvolvimento e do lucro a qualquer custo, o consumismo e o dinheiro são considerados como deuses, o objetivo de vida de cada um se traduz em ganhar mais dinheiro para comprar mais coisas. E nessa onda, tudo se transforma em mercadoria: os desejos, a felicidade, a espiritualidade, a saúde, a educação, a cultura, a habitação... 

A sociedade, o planeta e todos que nele vivem estão doentes, morrendo e sofrendo com esta forma de se organizar, pensar e viver. Há outros formas de viver em harmonia?  

O “Bem Viver”, é uma filosofia dos povos originários, não é o nosso “viver melhor” ou “qualidade de vida” que, para se realizar, muitos têm que viver pior e ter uma má qualidade de vida. O Bem Viver visa uma ética da suficiência para toda a comunidade e não apenas para o indivíduo. Pressupõe uma visão integradora do ser humano inserido na grande comunidade terrena que inclui, além do ser humano, o ar, a água, os solos, as montanhas, as árvores e os animais, na busca de um caminho de equilíbrio com o Planeta, com as energias do universo e com Deus. 

A preocupação central não é acumular. A Mãe Terra nos fornece tudo que precisamos. Nosso trabalho supre o que ela não pode dar e ajudamos a produzir o suficiente e decente para todos, para os animais e as plantas. Bem Viver é estar em permanente harmonia com o Todo, harmonia entre marido e mulher, entre todos na comunidade, celebrando os ritos sagrados que continuamente renovam a conexão cósmica e com Deus. Por isso, no Bem Viver há uma clara dimensão espiritual com os valores que a acompanham como o sentimento de pertença a um Todo, compaixão para com os que sofrem e solidariedade entre todos. 

No Bem Viver todos são iguais. Isso significa dizer que é preciso combater as injustiças, os privilégios e todos os mecanismos que geram a desigualdade. Assim, se vincula com a “causa” dos pobres e marginalizados e, desse modo, não deve ser pensada como uma questão à parte, desvinculada dos grandes desafios do mundo atual.  

Os ideais são centrados na pessoa e na comunidade, na partilha, na abertura para os outros. Na festa, se restabelece o equilíbrio, a alegria e se partilha a memória ancestral, o espaço e o tempo. Todos participam e se ajudam, e o trabalho em conjunto gera abundância. Por isso, quando pensamos em “um outro mundo possível”, imaginamos um espaço festivo, no qual se pode sentir e partilhar a alegria e a dádiva que é viver.  

O Bem Viver requer uma mudança na forma de organizar a vida social, em que os interesses coletivos prevaleçam sobre os interesses individuais e a solidariedade seja a base da sociedade, pois a vida é vivida em rede e todos necessitam uns dos outros.  

Desse modo, não cabem nele os projetos de exploração abusiva dos recursos naturais, nem os que se baseiam na exploração do ser humano.  

Por fim, o Bem Viver requer uma mudança política, para constituirmos uma sociedade fundamentada na justiça, na partilha e no respeito a todas as culturas e todos os povos.

Eduardo Cardoso,
Coordenador do MSTL,
graduado em Ciências Biológicas.