Nossos Projetos

Os Projetos Nelson Mandela e Frei Tito realizaram assembleias neste sábado, 14 de maio, o primeiro projeto às 10h, e o segundo às 15h. Os encontros aconteceram no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, importante parceiro do MSTL, que cedeu o espaço, uma vez que, com a previsão do início das obras, o galpão do terreno do Bairro Cooperativa já foi desmontado.

Decisões importantes
Um dos pontos principais nas duas Assembleias foi o relato dos encaminhamentos para a contratação das obras. Os dirigentes do MSTL, Eduardo Cardoso e Miriam Hermógenes, apresentaram a dura batalha desencadeada nos últimos dias e todos os contratempos gerados, com inegável relação com a crise política imposta pelos golpistas.
A dificuldade mais séria é em relação ao valor liberado pela Caixa para a construção dos apartamentos: R$91.880,00 por unidade. Ocorre que, como o padrão estabelecido e aprovado pelas famílias dos Projetos Frei Tito e Nelson Mandela é superior à média verificada no Programa Minha Casa Minha Vida, o valor por unidade, cobrado pela construtora e previamente acordado, é de R$95 mil. A diferença entre estes valores ainda pode ser coberta pelo Programa e, para isso, o MSTL já estabeleceu negociações com a Caixa e com o Ministério das Cidades. Porém, como medida preventiva, mais uma vez considerando o processo político que nos impôs um governo provisório que aponta para cortes nos programas sociais, o MSTL decidiu propor saídas alternativas que garantissem o início das obras.
A primeira seria a modificação do projeto, com cortes na estrutura, como por exemplo, a sacada dos apartamentos, para que o valor por unidade fosse reduzido. Essa alternativa garantiria a adequação ao valor liberado pela Caixa, mas promoveria atraso no início das obras, pois demandaria alteração das plantas e consequente retomada do processo burocrático de aprovação pelos órgãos públicos envolvidos (Governo Federal, Governo do Estado e Prefeitura).
A segunda seria uma cotização entre as famílias para pagamento desta diferença. Em negociação com a construtora, o MSTL conseguiu garantir o parcelamento desta diferença, que deverá gerar entre R$100 e R$150 mensais por família. A desvantagem desta alternativa é o impacto que estes valores devem gerar nas contas da maioria das famílias atendidas, cuja renda mensal é de R$1.600, no máximo. A vantagem é a agilidade para o início das obras.

Vários membros dos projetos falaram, defendendo uma das propostas ou apresentando novas possibilidades, numa demonstração de maturidade e consciência de construção coletiva, onde a solidariedade, um dos pilares do MSTL, ficou evidenciada. Encerradas as falas, as propostas foram colocadas em votação. Na Assembleia do Projeto Nelson Mandela, com apenas quatro abstenções, foi aprovada a proposta de parcelamento, decisão idêntica tomada pelas famílias do Projeto Frei Tito, que teve seis abstenções.

 

Transparência e compromisso com as famílias
As Assembleias também puderam apreciar as contas dos Projetos nos anos de 2014 e 2015. Um balancete detalhado dos custos do trabalho foi apresentado e está disponível aos membros dos Projetos Frei Tito e Nelson Mandela em nosso escritório. “O volume de trabalho, considerando que estamos falando em 800 famílias, e as exigências burocráticas para aprovação do terreno e dos projetos arquitetônico e social, demandam um alto investimento. Por isso, mais do que cumprir com uma obrigação, queremos reafirmar nosso compromisso com a transparência, apresentando os balanços preparados por nosso contador”, explicou Eduardo Cardoso.

 

Votação da fachada e acabamentos vai até dia 22
As famílias que ainda não participaram da votação para escolha das cores das fachadas dos prédios e para as peças de pisos, pias, louças e metais que vão compor os apartamentos, podem fazê-lo até o dia 22 de maio.Para participar, basta acessar este link e escolher seus preferidos.Então, não perca tempo! Reúna a família, decida coletivamente e vote!Quem não tiver acesso à internet, pode votar em nosso escritório.

 

Mais famílias aprovadas!
As Assembleias também trouxeram, mais uma vez, a emoção das famílias aprovadas! Faltam apenas 17 famílias para completarmos as 800!
As aprovadas no último período, que já haviam assinado os termos de adesão em nosso escritório, também tiveram a oportunidade de ter seus nomes anunciados e de receber a “terrinha”, um símbolo de mais uma etapa vencida em nossa luta pela conquista de nosso direito à moradia digna!
É importante lembrar que esta terrinha deve ser cultivada com uma flor ou planta para, depois, compor o jardim de nossa comunidade!

 

 

Veja mais imagens das nossas atividades: